top of page
  • Foto do escritorThainá Fernandes

Direito de habitação da madrasta no imóvel de herança: entenda os detalhes


Quando um imóvel é herdado e um dos herdeiros se recusa a vendê-lo, surgem questões sobre o direito de habitação do cônjuge sobrevivente, especialmente no caso de uma madrasta ou padrasto.


Esse direito, conhecido como direito real de habitação, garante ao cônjuge sobrevivente o direito de residir no imóvel do casal após a morte do parceiro, desde que seja o único imóvel desse tipo no inventário.


O direito de habitação visa assegurar que o cônjuge não fique desamparado após a perda do parceiro, cumprindo o princípio da solidariedade familiar. Esse direito é vitalício, pessoal e independe de outros bens no patrimônio do sobrevivente.


No entanto, há casos em que a copropriedade ou a antecipação da herança podem afetar esse direito. Por exemplo, se o imóvel era de propriedade comum antes da sucessão ou se o falecido doou o imóvel antes do casamento, o direito de habitação pode ser contestado.


O direito de habitação é gratuito, ou seja, o cônjuge sobrevivente não precisa pagar aluguel pelo uso do imóvel. Além disso, os herdeiros não podem exigir a venda do imóvel enquanto perdurar esse direito.


Tanto para cônjuges quanto para companheiros sobreviventes, o direito de habitação busca garantir uma moradia digna para quem perdeu o parceiro. É um direito importante consagrado pela lei para manter a estabilidade do sobrevivente após a perda do ente querido.




3 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page